Que porrada esse estudo sobre o futuro (?) do trabalho da @Float, hein? Trabalho foda do André Alves e do Lucas Liedke.

Como empreendedora e #GirlBoss (que agora o report tbm me botou questionando), tenho pensado muito nisso tudo há um tempo, mas com um olhar (e necessidade) mais profundo e urgente desde a Pandemia.

Em 96 paginas, o report passa por temas que me trouxeram vários socos no estômago. Cada um dos capítulos destaca um arquétipo e, quando você vê, tá todo mundo lá: o "founder", o coach, o nomade digital, o parceiro (aqui pensei muito na figura do creator, tbm um "trabalhador de plataforma" sempre em busca da sua monetização) e tbm tem o próprio Creator:

"Todes conhecemos a história de criadores de conteúdo que não aguentam mais produzir para um algoritmo que ninguém sabe ao certo como funciona. mas eles seguem lá, empolgados e esforçados, fazendo terapia para entender o "sentido da vida que ainda lhe resta" entre cada post. e vamos de #supercoffee!

Baixe o report pra ler tudo, vale muito a pena: https://lnkd.in/gbDjQMSW

E aqui mais algumas porradas:

"se vc não se sente em um moedor de carne, será que está trabalhando direito?"

"O "Trabalhismo" - a religião de uma geração que acredita que VOCÊ-É-O-QUE-VOCÊ-FAZ - foi um dos principais ingredientes pra chegarmos ao atual e alarmante nível de esgotamento".

"O resultado é a emprecariedade, um empreendedorismo altamente precário em um mundo em que "lazer é maratonar séries" e "trabalho é maratonar reuniões"."

"o Hell- Office é a disponibilidade ininterrupta de quem passa o dia e a noite entre o computador e o celular. mas afinal… que condições de trabalho são essas?"

"como disse Galo (Paulo Lima), líder dos Entregadores Antifascistas, ao The Interrcept, “não é escravidão, mas é encurralamento”. afinal, já sabemos que a autonomia de poder trabalhar na hora em que se quer (ou precisa) se transformou em trabalhar o tempo todo."

"o império do Gozo é muito eficaz em inundar o psiquismo com coisas e atividades que nos proporcionam prazeres dopamínicos curtos e irresistíveis. próximo episódio, mais um gole, mais um trago, outro date, mais um like, só mais uma rodada no tiktok, outro email, mais uma reunião, just do it. "

"um trabalho não poderia ser a única fonte de elaboração de sentido na nossa vida. se a sensação generalizada é de que o trabalho não deveria ser "tudo isso", então o que então deveria ser? qual é o seu lugar? talvez seja a hora de tentarmos dar novos contornos ao trabalho".